Sarkozy

Os cinco canais públicos de televisão franceses vão deixar de ter publicidade (e passar a ser pagos integralmente pelo contribuinte) a partir de 2011. Esta não é uma medida que tipicamente agrade à direita. A direita acredita que a qualidade dos conteúdos é melhor aferida pela quantidade de indivíduos que a eles aderem. A esquerda crê que as massas são aparvalhadas pelas «indústrias culturais» e devem ser ensinadas a gostar do que é melhor. Portanto, a esquerda quer doutrinar mesmo que a população não queira ser doutrinada e a direita quer que as pessoas escolham o que lhes apetecer. Com esta medida Sarkozy encosta-se à esquerda, porque quer «livrar os franceses da tirania das audiências». Por outras palavras, quer livrar os franceses de si próprios, quer mudá-los, o que é típico da esquerda. Ou por outras, Sarkozy quer que os franceses paguem mais e obtenham algo de que gostam menos (e a que não ligarão).

  1. O Sarkozy é um político moderno. A política moderna diz que devemos ter todos princípios ideológicos, excepto se for preciso arrecadar mais uns votos.

  2. Se bem percebi (e confesso que não fui ao Público… preguiça) o Sarko vai obrigar os canais públicos a dispensarem o financiamento privado e a governarem-se com aquilo que recebem do Estado.

    Mais do que discutir direita ou esquerda, trata-se de justiça. Sse as televisões públicas recebem dinheiro público para fornecer o serviço público de televisão, para que precisam de financiamento privado? para a guerra das audiências? mas, deve uma estação pública de televisão estar mais preocupada com o share do que com o facto de estar a fornecer um bom, ou mau, serviço público?

    Em Portugal, era bom que se fizesse o mesmo. A RTP vai gastar ainda mais em 2009 – em tempos de crise – e gostaria eu de saber se podemos considerar a televisão pública como um exemplo de boa gestão ou, por outro lado, como um autêntico elefante branco que não fosse a reunião dos fundos públicos e privados estaria na bancarrota a demasiado tempo.

    Nesta aspecto, as privadas têm razão: é desleal operar contra a RTP. Se a televisão do Eestado pode receber dinheiro privado, então a SIC e a TVI deveriam também poder receber dinheiro público, desde que colocassem alguns programas de ‘interesse público’ – uns concurso do Malato.

    Isto se considerarmos que o facto de os programas mais vistos pelos portugueses – as novelas da TVI – não constituem o interesse público… E se deixássemos as pessoas escolher qual o canal através do qual se sentem melhor representadas?

    A RTP anda a mamar de ambas as mamas. O mais justo seria que escolhesse uma. E deixasse a outra em paz.

  1. 7 de Janeiro, 2009
    Trackback from : Sarkozy (2) « Sinecura
  2. 8 de Janeiro, 2009
    Trackback from : RTP « Sinecura

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: